quarta-feira, maio 03, 2006

Pode ser que pela fresquinha...

Enquanto o embaixador francês em Djamena faz o seu papel de "anfitrião" da "normalidade", decorrem, desde esta manhã, no Tchad, as "eleições" a que Idriss Deby concorreu, depois de, para tal, ter alterado o texto da Constituição. No domingo, Abderamane Moussa, o temido ministro da Segurança Pública, garantiu a enchente no meeting presidencial, violando todos os códigos de conduta a que Idriss se obrigara. Consta que a operação custou 500 milhões de francos CFA. Hoje, por volta das 2 da tarde, nas principais cidades tchadianas, as mesas de voto tinham acolhido menos de 10 por cento dos eleitores. Há descrições de cidades desertas e de uma invulgar invasão dos hotéis camaroneses. Paris tenta manter a compostura.

1 comentário:

joão francisco disse...

enquanto tudo isto criaturas menores dedicam-se ao racismos e saudosismo mais abjecto que já se viu. aki: http://kulatra.blogspot.com/
é lamentável